sexta-feira, junho 01, 2018

Diário de um mestrando - 3° mês

Maio de 2018

2.5.18 quarta


12h10

Dia do evento da literatura, ouvindo os escritores locais falarem sobre poesia. Foi a manhã dos barbudos.





 Frase deste encontro: "é o que eu penso...".

Depois das falas e algumas perguntas fui à biblioteca catar livros sobre metodologia.
A manhã foi bem produtiva: fui no corretor ver a parada documental da casa e peguei um "volta na sexta"; fui na eletrônica e consegui que achassem a fonte perdida da impressora. Deles peguei um "volta amanhã". Antes de voltar para casa inventei de passar num lugar ali para sacar dinheiro e passei (me pareceu) milhares de horas na fila. Tempo suficiente para que a chuva chegasse com tudo.


20h49

Sabe quando tu sente que se não mudar algo em teu método, tu vai se ferrar? Então...essa foi a sensação desta tarde. O que aparentemente seria algo fácil (apenas acrescentar um conceito e minha redação sobre ele) se transformou numa jornada de quase quatro horas divididas entre leituras, releituras, interpretações, medos, dúvidas sobre se será isso mesmo, quase certezas de que pode ser, antecipação de que será muito mais trabalhoso do que pensava o contato com as fontes, esperança de que até lá minha maturidade acadêmica me ajude a dar conta do processo de coleta.

O clima na cidade mudou: estamos a 24 graus centigrados, uns 20 a menos que há um mês a esta hora.


09.05.18 quarta

Só saí e de casa para ver esse povo e voltei. 


14.05.18 Segunda

As expressões dia inútil, dia perdido, vida perdida, ai meu deus, o que estou fazendo, no que estou pensando, dia jogado no lixo, tempo perdido, não adianta chorar nas horas derramadas (Oi?) e onde estão as horas que havia aqui? foram criadas numa segunda-feira como hoje.

Pausa dramática

Estou travado intelectualmente. Melhor, passei o dia travado, mentalmente cansado e sem poder avançar nas leituras, mesmo querendo muito, pois acho que os textos desta semana lá da disciplina da professora Tatiane são um caminho interessante para começar a caminhar rumo ao artigo do final de semestre.

Pausa para tomar água e olhar para o vazio que acaba logo na parede atrás do notebook (sim, hoje estamos escrevendo no notebook).

Estou travado desde quinta passada, logo depois da orientação. Tenho muitos textos para ler sobre narrativa e avançar no texto da qualificação, tenho que montar um artigo para fechar uma das disciplinas, tenho que preparar uma apresentação oral sobre o texto dessa disciplina, tenho que ler o que a outra disciplina manda ler e ver o que aproveito. Tenho, tenho, tenho, não consigo, não consigo...

Nada de pausa.

Não deveria, mas estou cansado... Apático. Não consigo sequer criar coragem para ir na academia. Não tenho disposição para sair e pedalar (pelo menos hoje). Beber por aí para relaxar seria entrar em conflito interno com as minha parte responsável que sempre aponta ser necessário livrar-se das responsabilidades primeiro e curtir depois..

Pausa para relembrar. Imagine algum som instrumental nesta pausa. Relembrar o que mesmo?

Outra pausa para falar que na quinta passada o céu praticamente caiu de tanta chuva mas depois disso tem rolado umas longas horas de sol. Se houvesse praia ainda, o final de semana teria sido de muito mergulho e relaxamento.

Avancemos. É inadmissível fugir desta responsabilidade. As dificuldades de articulação de meu pensamento teórico são o obstáculo a ser superado. É isso ou ficar pensando em como deveria ter estudado mais ao longo da minha vida para passar em um concurso que me pagasse tão bem que não teria sido necessário tentar fazer mestrado.

Bah, eu tentando me enganar.... Sempre quis fazer essa droga, fosse onde fosse. Bem capaz de estar ganhando o dobro, o triplo e mesmo assim ter encarado fazer a pós...

Enfim, o choro não resolve nada. A bebida talvez...Quiça faça como disse uma amiga recém-doutora e encare o vinho como minha melhor companhia na hora de escrever.

15.05.18 Terça

Fui conversar via whastapp com um amigo sobre meu bloqueio acadêmico-criativo e ele me deu a melhor solução não envolvendo remédios que poderia receber:









16.05.18 Quarta


Teve Literatura em Roraima e foi legal. Só professores falando de suas ações para incentivar a leitura e tals.





15h12

Olho pra tela e o branco me engole. Olho pras anotações e os rascunhos me sufocam. Penso em outras coisas e o prazo vai encurtando.

Tenho tido imensas vontades de ficar o tempo todo deitado, jogado entre uma música e um vídeo qualquer, vendo a maré subir até me afogar.

Metaforicamente estou me afogando há dias. Um texto que poderia ser o norteador se mostrou bem complicado. Isso ou meu cansaço não me deixa compreender o conteúdo.

Estou rabiscando aqui como se isso fosse me ajudar a rabiscar pelo menos um roteiro digno do que apresentar na disciplina.

Além do artigo da disciplina, ainda tenho que ler para produzir mais coisas para o texto da quali. Minha pilha não tá dando.

Acho que vou começar a tomar café como se não houvesse amanhã durante o dia. O problema é que isso traz insônia à noite e não me ajudar (pelo menos até agora) de dia.

Poderia ser mais fácil.

16h15

Bueno... "Um passo de cada vez e você não está mais no mesmo lugar", disse Chico Science. Sendo assim, o primeiro passo está dado: criei um arquivo com o nome "Artigo Linguagem e identidade Professora Déborah Freitas".

"caminante, no hay camino,

se hace camino al andar", disse, por sua vez, Antonio Machado.

Caminemos, entonces. Y veremos qué pasa.

17.05.18

PAH! Tu pensa numa boa frase para começar a fazer a parada, não anota, (afinal, tua memória é boa demais da conta) e quando finalmente abres o arquivo, o vazio te agarra, te come, regurgita e zomba.

20h46

Uma página de cada vez e você não está mais no mesmo desespero...

19.05.18 sábado


16h20
Ler no findi pra adiantar a vida...

22.05.18 terça

17h28

Uma hora de alegria, outras de agonia...
E essa tela que me engole todo hora
Pegando meu ar, afogando meu dia

23.05.18 quarta

Manhã de mais um.evento de literatura. Boa mesa, boas falas. Pra variar, me perdi na hora de estacionar a bicicleta no auditório certo. Ainda bem que guardo os banners da atividade para consultar cada local.




Visões da vinda para casa...


 Tarde de escritas, noite de conversas acadêmicas profundas e urgentes pelo whatsapp. Áudios encaminhadores.

24.05.18 quinta

22h53

Fim das leituras e das escritas de um longo dia.

A seguir, imagens explícitas de um vício nas tardes de redação:



Edgarzinho deixou cair meu celular no chão. A tela ficou parecendo um esboço de tempestade e trovões.

25.05.18 sexta

5h38

Ou o cappuccino noturno, ou não ter conseguido ir pedalar ontem, ou a tensão de dar conta dos textos...Não sei o que acordou me tão cedo nesta sexta.

Cappuccino agora +MPB e uma manhã acordando cinzenta.

28.05.18 segunda

Hoje foi de participar da reunião ordinária do colegiado do Programa de Pós-graduação em Letras. Junto com o colega Antônio faço parte da dupla de representantes dos alunos. Muita discussão, muito esmiuçamento de pauta, muito olhar pro relógio e era 12h15 quando saí e não havia terminado a reunião ainda.

Só consegui pegar em material no domingo à noite. O final de semana foi academicamente perdido por ter escolhido viver. Viver é complicado quando o compromisso e o atraso no serviço te puxam para uma mesa ou sofá para que apenas leias, não vivas.

Comprei um celular novo no sábado. O outro ia custar R$ 180 para arrumar e já nem tava tudo isso. Parcelemos ele pelo resto da vida e botemos capinha para evitar que o aparelho se esmigalhe na primeira queda.

Mudei para outra mesa de estudo. Vamos ver o que as hérnias dizem sobre isso.




29.05.18 terça
8h53

Colegas apresentando trabalhos orais na disciplina. Agora que me toquei de fazer uns slides bonitinhos e explicativos.

9h51

Tiro, porrada e bomba. Eis que o caos de um é o meio caos de outros....

Café, pois habemus sono, sono em sala de aula




22h30
O fim de um dia quase improdutivo, diria eu ontem. Hoje, no entanto, afirmo: mais vale um começo de intertítulo na mão do que um artigo pronto voando.

30.05.18 quarta

Cedo.
Muita seis horas para tanta manhã.


Vamos a mais um encontro Literatura em Roraima. 




31.05.18 quinta

Só não surto porque pedalo. Pouco, mas pedalo. Única atividade física nos últimos tempos, por sinal. A academia não me viu este mês. 






Avancei pela madrugada, vi o ontem ir embora, abracei o hoje e continuei.
Cansado, muy cansado.



É um feriado que não é um feriado. Tanta leitura e releitura de texto já me deixam confuso entre o que sei e o que quero e as expectativas sobre o que dizer e o que querem ouvir.

Eu poderei ter ido beber, mas entrei pela madrugada escrevendo novamente. Nada como um mestrado para perder horas sentado fazendo e refazendo o mesmo parágrafo.

Chegou junho, mês de meu aniversário. Eu só quero um mês de paz. Pelo menos vai rolar uma atividade diferente, encontrando muitos amigos, alguns nem tanto e recebendo uma grana para ajudar nas despesas do lar, despesas estas que crescem a cada dia mesmo sem comprar nada mais a cada dia. Basta só encarar a contabilidade dos aumentos da gasolina para me entristecer. E ainda tem idiota que bate palma para o desgoverno Temer, diz que a culpa dos aumentos é do PT, acredita que se privatizar tudo vai melhorar e xinga quem reclama do Jucá e Cia.


Chegou junho. Vou tentar ser mais alegre. Pelo menos de 6 a 8, na segunda edição do Sesc Literatura, na qual sou um dos convidados. O segundo dia de atividades cai justamente no primeiro dia de atividades do professor Maurício, que voltou bem da operação que fez no coração.










Chegou junho e os professores já avisaram que vão querer um artigo dessa disciplina também...Ai, ai, ai...


Sobre não querer ser grito (poema de Zanny Adairalba)



Não me apego à tentativa de ser grito
Pois minha fala embriagada em tantos ditos
É do tipo que para ouvir tem que calar.

@zannyadairalba, no livro Movimentos Inexatos.



(Das fotos que publico no instagram)

quinta-feira, maio 31, 2018

segunda-feira, maio 28, 2018

#02 Mostrando as coleções: batmobiles

Então...faz dias que postei esse vídeo no youtube. São duas aquisições legais para a nossa coleção de batmobiles. 

Depois disso já chegaram outras coisas, mas o tripé quebrou e não quis filmar segurando na mão. 

Enquanto isso, aproveitem e curtam as minis do Batman e da Catwoman: 



sexta-feira, maio 11, 2018

#01 Mostrando as coleções: Lego Vingadores comprados na Guiana

Entre um texto e outro do mestrado vou brincando para me distrair e não pirar. A onda da vez é fazer vídeos.

Este é número 01 da série Mostrando as coleções. Começamos apresentando uns bonequinhos Lego dos Vingadores que um amigo que foi até Lethem, na Guiana, nos trouxe. São do Edgarzinho, meu filho. Eu só usei para filmar. Depois vou fazer outros.






Deixa seu like, compartilha, se inscreve no canal e vamos continuar mostrando nossas coleções de bonecos, carrinhos e tudo mais o que temos em casa.

E se quiser ver outras postagens aqui no blog falando de action figures, é só clicar aqui.

terça-feira, maio 08, 2018

Jorge Drexler e inverno numa ilustração que pede asilo


Dia desses estava no Twitter e vi uma postagem em que a atriz-ilustradora daqui de Roraima chamada Cora Rufino mostrava um pouco de seu processo criativo na hora de fazer suas artes. Algo bem simples, mas didático na leveza. 

Dias depois, no meio de uma onda de cansaço de tanta leitura do mestrado, lembrei da postagem, me inspirei e fui fazer umas tirinhas mostrando o meu desalento. Rascunhei no caderno várias, mas me deu preguiça passar a limpo. 

Hoje de tarde pensei nesta ilustração e já arranjei tempo e disposição para fazê-la. A frase entre aspas é da música "Asilo", de Jorge Drexler. Se você não conhece, tá dando bobeira. 


Letra do Drexler + inverno amazônico + gente vivendo na rua + momento de fuga imaginativa = ilustra

Depois dessa aí pensei em outras ilustrações sobre o mestrado. Quem sabe não crio disposição e faço os desenhos?

P.S.: A última vez que parei para fazer uma tirinha assim foi em novembro de 2010. Engraçado é que usei quase a mesma cor na imagem. Devo gostar muito mais de azul do que tenho consciência.

segunda-feira, maio 07, 2018

quarta-feira, maio 02, 2018

Diário de um mestrando em Letras - segundo mês

Mês 2. Abril de 2018

03.04.18 Terça
22h32

Acabei de ler o artigo "A produção social da identidade e da diferença", de  Tomas Tadeu da Silva, sobre a pedagogia da identidade e da diferença. Passei boa parte da tarde e noite nisso. Agora é descansar para fazer amanhã  a resenha e parar de não entregar o que os professores pedem... No final, só quem se quebra com minhas enroladas sou eu...

Ah, no final do artigo, o Tomas começa a escrever quase que musicalmente-poeticamente-alguma coisa que você gostemente sobre viagem sobre diferenças e tal. Separei esta parte sobre os impactos das viagens nas cabeças das pessoas. Fiquei pensando: se as pessoas viajassem mais para inserir-se em outros culturas e convivessem mais com as diferenças, haveria tanto xenofobismo em Boa Vista?





O4.04.18 Quarta
17h22

Hoje comecei a ir num evento chamado Literatura em Roraima: Diálogos e leituras. É bem no horário de uma matéria  optativa do mestrado, mas que não estou fazendo (como pedi aproveitamento de umas que fiz no PPGL e no PPGANTS não estou pagando essa). Casa cheia, o primeiro encontro foi no auditório do Pronat, com o tema poesia e o feminino. Dia 18 vou como convidado para falar sobre modos de produção. 






À tarde fui no encontro, por enquanto, semanal do grupo de pesquisa Amazoon. De lá passei no Sesc Mecejana para assinar una docs ainda referentes ao Sarau da Lona Poética que fizemos no teatro do Sesc Mecejana. Nessas duas coisinhas a tarde se foi.  Eu tava pensando ainda em passar numa palestra que vai rolar no Centro de Ciências Humanas, mas tem tanta parada pra ler e lazer que num sei. É resenha da professora Deborah, estado da arte e metodologia para a qualificação, texto novo do Prof. Mibielli... 

Será que é por isso que o povo entra em depressão nas pós da vida? Será que é assim?

05.04.18
Quinta - 8h18

Expectativa: qual será o texto da aula de hoje? Acho que não foi o que li...

Ainda sobre a indecisão sobre ir ou não à palestra ontem na UFRR: preferi ficar em casa, massagear os pés da patroa, caminhar e fazer minha pesquisa do estado da arte...

12h05 

Obviamente o texto da aula foi justamente o que não li. Obviamente isso me faz sentir meio irresponsável. Mibielli avisou que vai rolar substituição de professores na próxima aula e a profxs nova, Dra. Lisiane, já mandou textos pro sistema dos alunos da UFRR, o SIGAA.

Ah, hoje fiz algo que não fazia há uns 12 ou 14 anos: fui de bike para a UFRR, bem do jeito que fiz durante toda a minha graduação em jornalismo, debaixo de sol e debaixo de chuva... Ai, ai, ai, bons tempos de juventude aqueles. Ruim era para namorar: pouca gente queria subir no meu guidom e encarar aventuras. 


Ainda bem que estava nublado o céu ou na volta, por ter esquecido de levar boné, teria sofrido um pouco com o sol na cabeça. 




16h49 

Conceito do dia: lugar de fala.

E a resenha da professora Deborah, Edgar? Começa quando?..


11.04.18

8h31

Tô aqui em mais uma edição do encontro de literatura na UFRR. O Neuber é pai de uma antiga namorada, a primeira a ter esta denominação no vale valendo, e o Zeca foi nosso vizinho no Caçari por muitos anos. O Neto, filho dele, vivia pegando dão em nossa casa e brincando com o meu falecido primo Sandro Tafarel. 

Adicionar legenda

Enquanto o povo fala, o que fiz nos últimos seis dias?

1. Fiz o resumo da Deborah de forma bem meia boca (demorei muito para pegar o foco da resenha e fui passear em outra temática que não a minha). E na hora da aula a professora perguntou algo que obviamente não estava lá. Ficou faltando um monte de conceito... Agora vou ter que adiantar (ou voltar) essa listagem.

2. Ontem fui ler um texto da Kathryn Woodward (Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual) e fiquei nisso umas cinco e seis horas (o que me leva a calcular que agora, somando com o tempo em sala de aula, fico bem mais ocupado que antes do mestrado).

3. Há espaço para a vida: larguei tudo no sábado à tarde e fui pra praia do Encontro curtir o por do sol. Fiz um vídeo do passeio e postei no YouTube. Vejam na postagem como um mestrando relaxa.

4. Tenho trocado nudes, opa, não pera não é isso!  Tenho trocado PDFs com meninas e meninos sobre as temáticas da pesquisa. Penso seriamente em comprar um e-reader por motivos de não aguentar ler textos muito longos na tela do computador...

5. Adiantei a parte metodológica da qualificação (e outra coisa que não lembro) e passei à professora Leila já no domingo passado. Quinta que vem tem nova orientação.

6. Não é uma ação, mas um acontecimento: Edgarzinho veio se queixar de solidão e de que os pais não estão sendo muito companheiros. Menos de dois meses no mestrado e já temos nossa primeira crise familiar...

7. Morreu ontem  um amigo nosso, o David de Paulo. Suicídio, depressão, dependência química... Uma merda. Era um querido. Compositor, poeta, prestativo, pai, servidor público, gentil que só ... F**a.

12h02

Acabou a mesa do evento da literatura, já estou em casa, já fiz suco pro almoço, já li as últimas dez páginas que faltavam do texto de Woodward... Tá quente que só e à tarde vou fazer o trabalho relacionado a esta leitura.

17h37

Se fiz o trabalho? Bem... Não fiz o trabalho da disciplina, mas agilizei uma cacetada de outras coisas...Resultado: estou atrasado com o que deveria estar adiantado. Vamos que vamos usar a noite para isto então...Se bem que minha vontade é de sair para beber uma cerveja e sentir o vento bater no rosto...

12.04.18 quinta

7h19

Fechei metade do fichamento de citação ontem. Se não enrolar ou me enrolar, mato essa parada de vez hoje. Começo a olhar com mais frieza para o conteúdo: se não me faz falta, nem sublinho. Sou o desprezo em work in progress...

(Noite de insônia parcial. Acordei bem antes do relógio tocar)

21h50 

Manhã de aula com professora nova: Lisiane. Mil referências de vídeo e texto. Pensamento rizomático. Livro do Deleuze para semana que vem. Tarde de muito calor, pedalada até  a UFRR, orientação com Leila. Agendamos retorno para maio. Tenho que polir umas partes do que fiz, melhorar outras, iniciar mais uma seção. Noite de pão com carne e ketchup, suco de melão, música de Roraima no spotify com Ana Lu e Jamrock, ligação pra mãe e finalização do fichamento de citações. Deu nove páginas. Minhas mãos doem. Agora vou ali, beber uma ou mais cervejas para lembrar que a vida não cabe no Lattes.



13.04.18 Sexta

6h30 - Toca o alarme. Maldição...

7h38 - É ressaca que chama? Ou é apenas falta de resistência a bebida e sinuca até mais tarde?

18h50 - E lá se foram mais 40 páginas de leitura em PDF mais um resumo de fichamento em poucas horas. Será que esto finalmente começando a pegar o jeito?


19.04.18 quinta

7h17
Bicho...que quarta foi essa? Uns textos curtos, mas bem pesados sobre representações sociais na abordagem da psicologia me tiraram a tarde e a noite... Até dor nas pernas me apareceu e acabei indo ler na cama e depois no sofá... No final, acho que pro trabalho nem vou aproveitar muito... Tentei sair pra pedalar e relaxar, mas não tive disposição...

Pensar que na minha juventude quis cursar psicologia pois dava conta de arranjar caminhos pra todo mundo sair de seus problemas... Só não me meti porque não tinha o curso ainda em Roraima. Hoje tem dois.

Terça submeti um artigo para análise da revista online Aturá. Entendi tanto como fazer o processo de submissão que até tutorial pelo whatsapp fiz pra uma colega que estava enrolada com isso.

Ainda de ontem: participei do evento Literatura em Roraima na companhia dos escritores Jaime Brasil, Marcelo Perez e Roberta Cruz. Falei pacarai... Tomara que a galera tenha absorvido  algo de bom.


Saca o charme de todo mundo no cartaz

Os escritores Jaime Brasil, Marcelo Perez, a mediadora Elisa, Roberta Cruz, eu e meus óculos

Vem, quinta, vem.

21.04.18 sábado

16h56

Começou o inverno. Tá choviscando lá fora. A tarde está fria, agradável, boa. Só que hoje eu queria ter ido à praia...

Consegui fazer o esquema dos textos de representação social. Vou ver onde imprimir...Ficou parecido com aquela coisa ridícula que fez o procurador evangélico "não temos provas mas temos convicção": todas as setas apontam para a  representação. Tudo culpa dela.

Eu podia estar na praia, mas tô sentado no sofá esperando coragem chegar para ler um artigo duma revista científica... Saudades do tempo do "vamos ler uns 20 gibis para relaxar e depois vamos namorar".

25.05.18 Quarta 

Deus, porque às vezes eu durmo de madrugada e acordo antes das seis? Por quê?

Hoje foi dia de mais um encontro literário na UFRR. A vez foi da galera que escreve prosa. Rolou um problema no auditório Alexandre Borges e a parada rolou no auditório do CBio. Tudo dentro da proposta itinerante do evento.





Tô aperriado por ainda não ter definido o que vou produzir pras disciplinas...

26.04.18 Quinta

Hoje foi de ver a qualificação da pesquisa "A língua que faz casa em casa torna alheios os de casa?", que aborda o uso da língua portuguesa em Santa Elena, Venezuela. Eu curti a apresentação. Alguns dados me lembraram momentos de nosso tempo (meu e da mãe) na Venezuela.



De segunda até sexta estou num curso de escrita criativa com o que escritor Jéferson Assumção. Cara sabe muito e tem uma bela história de vida, dessas que mostram que leitura e obstinação são importantes quando se quer algo mais da vida. Além disso, o gaúcho tem uma tatuagem igualzinha à minha. Ah, mas por disso do curso minhas sonecas da tarde de estão canceladas até sexta.


Os filhos do Torres García

Frase poética do dia, extraída da qualificação: "A língua em que nasci me faz lar em casa alheia."

Tivemos aula com a professora Tatiane Capaverde.
 Passou um monte de texto impresso e digital. 
Acho que tive uma ideia para apresentar na disciplina.

27.04.18 Sexta

Amanheceu chovendo muito, mas muito mesmo. Era só a desculpa que queria para não ir malhar...

A manhã foi para pesquisar e baixar os textos digitais da professora Tatiane. Ontem li um sobre blog,  intitulado "A terceira geração do diarismo: os blogs". É de 2010, com dados de blogs visitados em 2003 pela pesquisadora Danielle Cristina Pereira. Lembrei de como era ser blogueiro naquela época e de como é hoje, na era pós-surgimento das redes sociais. 

30.04.18 segunda

Meio do feriado do dia dos trabalhadores. Li os textos literários e acadêmicos que  professora Tatiane passou (gostei dos diários do Che Guevara e do Carlos Drummond De Andrade, tive um surto criativo com o outro - vale ver se vou aproveitar depois). Comecei a meio que roteirizar (mentalmente conta?) minha ideia pro artigo da Débora. Li um pedaço bom duma tese sobre rap feita na ECA/USP e anotei uma coisas legais.

Agora vou passear de caiaque ali nos rios Cauamé e Branco. É noite de lua cheia, as praias sumiram totalmente (aqueles cenários naturais do vídeo que postei no começo do mês não existem mais), não tenho medo de jacaré nem cobra grande e talvez beba alguma coisa depois.

Para ler todas as edições do Diário de um mestrando, clique aqui.