segunda-feira, abril 17, 2017

Vamos nos encontrar para fazer coisas literárias no encontro Sesc Literatura em Cena 2017


Durante esta semana participo do Sesc Literatura em Cena 2017, encontro promovido pelo Sesc Roraima aqui em Boa Vista. 

Sou um dos escritores convidados para conversar com o público sobre dinâmicas criativas, produção cultural e tals. Minha companheira, a poeta Zanny Adairalba também está na programação. 

Na quinta vamos encerrar o evento com um sarau. Aparece lá que estou com saudades tuas...

É sério...Ou não...não sei..

Enfim, vê o que publicamos no blog do Coletivo Caimbé falando desta atividade, compartilha aí via Twitter e FB e aparece nem que seja para comprar nossos  livros.

Lá do blog do Caimbé:






Estamos participando do encontro Sesc Literatura em Cena, que começou nesta segunda (17) e vai até quinta-feira (20), sempre das 9h às 20h, no ginásio do Sesc Mecejana.

Confere o que estamos fazendo por lá, chama os amigos e aparece. A programação é toda gratuita e aberta à comunidade em geral.

VENDAS - No estande dos parceiros da Máfia do Verso temos livros de diversos autores roraimenses: Edgar Borges, Zanny Adairalba (integrantes do coletivo Caimbé), Elimacuxi, Roberto Mibielli, Marcelo Perez, Sony Fersek e Aldenor Pimentel.

É só chegar, comprar e levar para casa os livros, fortalecendo a cena literária local.


Vejam o que mais estaremos fazendo até quinta:

3ª (18)
 
A poeta Zanny Adairalba fará uma sessão de autógrafos às 19h no ginásio do Sesc Mecejana.

4ª (19)

Às 15h, Zanny ministrará uma palestra sobre o seu fazer poético. A atividade vai acontecer no Cine Sesc e tem entrada franca.
Às 19h, no ginásio do Sesc Mecejana,  Edgar Borges fará uma sessão de autógrafos de seu livro Sem Grandes Delongas.

5ª (20)

A poeta Zanny Adairalba ministrará uma Oficina de Literatura de Cordel em Sextilha. A atividade começa às 15h, na Biblioteca.

Também às 15h, o escritor Edgar Borges participa da mesa “Prosa e poesia: da rua à academia”. A atividade vai acontecer no Cine Sesc e tem entrada franca.

Às  19h haverá um sarau organizado em conjunto pelo Coletivo Caimbé e a Máfia do Verso. Poetas e músicos estão convidados a participar da atividade que vai encerra o Sesc Literatura em  Cena 2017.

Durante todas as tardes, além das ações com hora marcada, Edgar e Zanny estarão no evento conversando com o público interessado em saber mais sobre o processo criativo dos escritores e sobre suas obras.


Apareçam!

quinta-feira, abril 06, 2017

Março foi o mês do Batman lá em casa

Março foi um mês de chegadas morceguisticas lá em casa. Encomendas feitas há algum tempo finalmente deram o ar de sua graça e ampliaram a coleção de miniaturas e actions.

Num pacote só chegaram do Aliexpress essa motinha que foi lançada nessas promoções mensais do McDonalds e essa figura do Batman. 

A motinha inspirada na série animada  Beware The Batman sai a toda velocidade quando a gente aperta a asa do motociclista. 



A figura que veio no pacote junto com a motinha é muito legal.  É da linha dos New 52. Só não gostei da cor do rosto (um pouco pálida demais) e de ter chegado com um probleminha na articulação do joelho. Dificulta um pouco na hora de colocar em pé o boneco, mas, tirando isso, a qualidade é boa. A capa é de borracha e tem escultura bacana. 

Não lembro bem, mas acho que as duas peças saíram por uns 28 reais quando comprei.






A segunda chegada de março, também via Aliexpress, foi essa action figure inspirada em um personagem chamado Superman Composto (Composite Superman em inglês).  Apareceu pela primeira vez nos quadrinhos em junho de 1964. Meu filho tava achando que além do Bat e do Super havia um pouco de Hulk no personagem. Ou que estava verde de fome...
A figura tem uns 16, 17 cm de altura e é bem firme. Veio com essa base aí das fotos e uma cartelinha de adesivos de animes, enviada como brinde pelo vendedor.





 A última chegada de março foi a desses três aí: a action do Solomon Grundy, o Coringa na sua triciclo moto e esse batmobile. Todos foram criados a partir da série animada Batman Unlimited. Fazem parte dos brindes de março de 2017 da rede McDonalds. Esses daí vieram de Manaus, na bagagem do amigo de um amigo. O rapaz, aleluia as coincidências, estava vindo para Boa Vista e teve tempo de comprá-las.


O Solomon Grundy eu trouxe para minha mesa do trabalho

O batmobile roda a friccão. Essa broca gira.

Quando você aperta um botão na parte de trás do triciclo, o Coringa é ejetado

Quem vai sair da frente antes da batida final?


quinta-feira, março 30, 2017

Por enquanto, nada de cobrança na pós-graduação das IFES. Por enquanto...



Na noite desta quarta-feira (29/03), a Câmara dos Deputados votou, em segundo turno, pela aprovação ou não da PEC Nº 395/2014, de autoria do deputado Alex Canziani (PTB/PR). 
 
Na proposta original do parlamentar paranaense, a ideia era alterar o inciso IV do artigo 206 da Constituição Federal, retirando “gratuidade do ensino público nos estabelecimentos oficiais de educação básica e, na educação superior, para os cursos regulares de graduação, mestrado e doutorado.” 
 
Entre idas e vindas, as relatorias deixaram a PEC somente autorizando a cobrança de mensalidades para os cursos de extensão e de pós-graduação lato sensu ofertados nas instituições federais de ensino público.
 
Por apenas quatro votinhos a ideia não passou e agora será arquivada. 
 
Fui conferir como votou a atuante bancada federal de Roraima. Se dependesse de boa parte deles, logo estaria todo mundo tendo que separar mais uma graninha para bancar as mensalidades de suas pós nas instituições federais de ensino. 
 
Vê como votou teu parlamentar: 
 
Abel Mesquita Jr. (DEM):Não
Carlos Andrade (PHS):Não
Hiran Gonçalves (PP):Sim
Edio Lopes (PR):Sim
Remídio Monai (PR):Sim
Maria Helena (PSB):Sim
Shéridan (PSDB):Sim




Se te interessar a veracidade do processo, checa na página da Câmara dos Deputados:http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao…

terça-feira, março 28, 2017

Fiz uma palestra no IFRR sobre produção cultural e ações literárias


Estive na manhã do dia 10 de março no Instituto Federal d Roraima (IFRR) para falar sobre produção cultural com alunos da disciplina Prática como componente curricular, ministrada pela professora do curso de Letras/Espanhol, Ray Rodrigues.

Apresentei aos estudantes um pouco do que andei fazendo na área com os amigos e parceiros que fizeram parte do Coletivo Caimbé nos últimos oito anos e repasse dicas metodológicas para realização de seus projetos. 

A conversa era de 40 minutos, mas ficou em cerca de 1h20... Falo bagarai, sobretudo na hora de dar respostas... :) :)

Por enquanto estou de férias do Coletivo, dedicado a umas paradas mais pessoais. Falei isso pra turma, mas também deixei a porta aberta para convites relacionados a ações como estas. Afinal, tentar repassar conhecimento faz parte de minhas metas de vida.





Acho que estava falando de minha altura...








Turma da disciplina Prática como componente curricular, ministrada pela professora do curso de Letras/Espanhol do IFRR, Ray Rodrigues.

terça-feira, março 21, 2017

Os 91 anos de minha avó, dona Maria José

 
Quatro gerações: dona Maria José, sua filha Gracineide, seu neto Edgar e seu bisneto Edgarzinho


Minha vó materna, dona Maria José Torreias Ferreira, completou 91 anos no último dia 15 de março. 

A matriarca da família Borges tem história pra contar.

Dona Maria foi um dos suportes fundamentais que tive em minha juventude, garantindo que pudesse estudar, comer e dormir com tranquilidade. 

Se não fosse ela, talvez nem morasse aqui, talvez não fosse jornalista, com certeza tudo teria bem diferente em minha vida.

A vó nasceu na beira do rio Uraricoera, descendente de um espanhol e uma filha de soldado da borracha que plantavam tabaco naquela região

Veio para Boa Vista ainda pequena, logo depois de ter ficado órfã. Cresceu ali na área central da cidade, numa casinha pertinho de onde fica a loja Brinquedos, na avenida João Pereira Melo, entre a Getúlio Vargas e a Sebastião Diniz. 

Dali descia para pegar água no rio Branco. Tempos diferentes, sem água encanada nem energia elétrica, muito menos botijão de gás para agilizar a preparação da comida

Dona Maria já me disse várias vezes, quando apareço com o papo dos tempos antigos: não sente nenhuma saudade da época do fogão à lenha.

Foi embora bem jovem do que hoje é Roraima e antes era Território Federal do Rio Branco. Acompanhava o marido, seu Edgar Borges Ferreira, que a conheceu logo após ele chegar do Pará. Pelo que me conta, do primeiro encontro ao casamento foi rápido, menos de um ano. 


Dona Maria José e seu Borges


Sobre como surgiu esse encantamento dos velhinhos, bati um papo uma vez com o seu Borges. Aqui tu confere a linda resposta que ele me deu.

Dona Maria morou na beira do rio Tocantins, voltou para o território, trabalhou como costureira a vida toda, em casa e ensinando em locais como a União Operária

Teve cinco filhos tidos e adotados, tomou conta de casa, sempre acordando cedo, dando bronca, aconselhando-nos todo dia, seus filhos, netos e bisnetos, a sermos bons para o mundo e a não olhar apenas para o nosso próprio umbigo.

Dona Maria e seu Borges, que faleceu há alguns anos, são os melhores avós que eu poderia ter escolhido para mim (se acaso tivesse esse poder). 

Este blogueiro, sua chupeta e dona Maria José

Boa parte da parte boa de meu caráter devo ao convívio com a dona Maria. Com ela e seu Borges aprendi na prática cotidiana o poder do amor familiar, da generosidade com os seus e do respeito aos outros.

De dona Maria só tenho uma reclamação: fuma desbragadamente. 

O vício vem da infância, quando acendia os cigarros para a minha bisavó. 

A gente aguenta e reclama sempre do cheiro de fumaça. Ela reclama que nunca vou comprar cigarros para ela. 

E assim vamos vivendo. Afinal, nem tudo são flores na relação avó e neto, né?

quinta-feira, março 16, 2017

Crônicas de viagem: passando o Carnaval 2017 na Gran Sabana



Fim de tarde na  Gran Sabana
Como adiantei na última postagem, depois de falar sobre minhas frustrações carnavalescas, chego agora com um relato da viagem que, juntamente com um grupo querido de amigos, fiz para a região da Gran Sabana, ali na Venezuela.


A ideia de não passar o Carnaval aqui em Boa Vista começou a germinar em janeiro. Talvez a única coisa que me parasse aqui na cidade fosse ir ver o Bloco do Mujica, na esperança de ter uma noite carnavalesca como a de 2016, quando a turma deu duas voltas na avenida e rolou uma chuva linda no começo da segunda, espantando um calor que durava semanas já.




Entretanto, as probabilidades da chuva rolar novamente justamente no show do Mujica eram bem pequenas. Melhor partir pro interior e fazer algo diferente, fiquei pensando.




A primeira ideia foi fazer uma jornada até as serras do Uirumutã, no extremo norte de Roraima, passando uns dias explorando as cachoeiras da região mais fria e alta do estado. Mas a estrada para lá é ruim que só, meu carro é pequeno e a conta familiar ia ser bem alta no final. 


Veio a intenção de ir para a serra do Tepequém, à esquerda da BR 174 sentido norte. Cachoeiras, natureza e um festival de jazz eram a pedida. Só que para ir lá o povo já fica ligado bem antes de janeiro. Resultado: todas as pousadas que procuramos (aqui já pensando com os amigos o que faríamos no carnaval) estavam cheios ou com os valores das diárias um pouco acima da altura da serra.





Ficou a Gran Sabana, na fronteira do Brasil com a Venezuela como opção carnavalesca. E que bom que ficou. Quando bateu a tarde de sábado de carnaval, atravessamos eu, Zanny e Edgarzinho uns 200 km de lavrado roraimense rumo à Serra de Pacaraima. No caminho, uma parada de praxe no Km 100 para comprar paçoca e esticar as pernas.



Paçoca na mão






Casinha da montanha
Lá, na casinha mais linda da montanha, já estavam Timóteo, Grazi e Liz esperando pela gente. No outro dia chegaram Filipe, Natasha e a pequena Isabela. 



Na segunda, trocamos nossos reais por bolívares (pegamos as novas cédulas em circulação e com isso diminuímos o volume nas carteiras) e abastecemos no posto de combustível que fica a uns 40 metros da fronteira do Brasil com a Venezuela (com a gasolina sendo vendida a R$ 1,50 o litro, acabaram as intermináveis filas que atrasavam a vida de todo mundo que ia visitar a Gran Sabana).


Amanhecer na rua da casinha da Montanha

Carros abastecidos e bolívares nas carteiras, atravessamos a cidade de Santa Elena de Uairén rumo ao acampamento de Manakachi, distante aproximadamente 180 km da fronteira. Tirando a perturbação do Edgarzinho, que a cada 100 metros perguntava se já estávamos chegando, tudo correu bem no percurso, que tem paisagens muito bonitas, inclusive a visão do Monte Roraima e outros tepuys no horizonte.

Troncal 10, a rodovia que corta a Gran Sabana



Manakachi estava lotado dos viajantes venezuelanos e alguns poucos brasileiros. O nível do rio estava um pouco mais baixo do que quando estivemos lá pela última vez, possibilitando explorar umas partes novas em seu leito de pedra e água bem gelada.

Aummmm....




Fazendo pilhas de pedras em Manakachi

 Quando chegou a noite, instalamos o que o guarda florestal chamou de “pequeno circo” e fizemos uma roda para rir e conversar sentindo frio (coisa rara em Boa Vista), além de beber cerveja e vinho comendo pão com linguiça e jogar “dica”. Tudo isso ouvindo as playlists que o Timóteo e o Filipe haviam baixado do Spotify.  A temperatura chegou aos 18 graus centígrados. Para quem vive num clima sempre acima dos 30º, isso é quase neve.







O circo: lâmpadas de led, churrasqueira e risadas



Lá pela meia-noite decidimos levantar acampamento e irmos para o hotel que fica na frente do trecho conhecido com Rápidos de Kamoirán. Como já havíamos feito a reserva de tarde, conseguimos descansar de boa nos quartos alugados e quentinhos (diária de 20 mil bolívares, equivalente a R$ 20, 00 no câmbio paralelo da fronteira).
 
As únicas coisas ruins do nosso quarto foram não ter tomada para carregar o celular e o chuveiro, que não tem água quente e é fraco demais para molhar rapidamente um corpo inteiro. Como eu não consigo encarar um dia sem tomar banho, a opção quando amanheceu foi entrar no rio, rezar para não congelar e gritar a cada mergulho.


Rápidos de Kamoirán


Depois do banho, tomamos café, abastecemos no posto na frente do hotel (botei uns 15 ou 20 litros e paguei algo como 150 ou 200 bolívares, equivalente, no máximo, a 20 centavos de real) e partimos para conhecer uma cachoeira citada por um conhecido que encontrei no hotel.


A entrada para a outra cachoeira, cujo nome não lembro, fica a uns 5 ou 10 km dos Rápidos de Kamoirán. Tem que sair da troncal 10 e percorrer uns 900 metros. A estradinha é tranquila até para carros baixos como o meu. 



Tomamos banho nela, brincamos um pouco e partimos para almoçar em Santa Elena, jantar em Pacaraima, dormir na casinha da montanha da família TimGraziLiz Camargo e, no outro dia, depois de comer panquecas, voltar para casa. 

Liz e Edgarzinho: panqueca com mel
  
Esse foi o carnaval de 2017. Uma delícia de dias passados em boa companhia, sentindo frio, comendo muito (minha barriga que o diga, rindo muito e fazendo planos para uma nova volta, lá por abril ou maio deste ano.


Se curtiu o relato, mas quer saber mais sobre essa viagem, deixa tua pergunta nos comentários. Sempre respondo.


Abraços viajantes.