segunda-feira, setembro 16, 2019

Diário de um mestrando - 19° mês

06.08.19 Terça

Tá frio, bem frio, muito frio. Tá tão frio que estou de camiseta de manga comprida, meu filho está de calça comprida e minha esposa além de tudo isso colocou meia nos pés. O termômetro diz que agora estamos a apenas 24 graus, mas acho que é bem menos. Paredes molhadas, vento... O inverno está lindo. Se não fossem as goteiras na casa, estaria bem mais feliz. 


Sobre a dissertação: estou avançando lentamente. Hoje não consegui, semana passada também não. Apareceram coisas urgentes durante os dias e de noite já estava muito cansado para pensar academicamente. Pelo menos fechei a leitura que queria do Canclini. 




22.08.19 Quinta


Teve reunião administrativa com os novos alunos do Programa de Pós-graduação em Letras, o PPGL. Como representante da turma 2018, fui chamado para o encontro. Lá, me deram a palavra e falei umas dicas para a galerinha. Foi assim, de acordo com as anotações que fiz no celular: 


Edgar Borges
Pesquiso identidade e música, analisando o rap de Roraima.

Dicas, sem ordem de prioridade:

1. Colem nos orientadores. Não deixem ficar mais de um mês sem se encontrarem. Isso te mantém focado e produtivo.

3. Produtivo: A obrigação de vocês é produzir e publicar pelo menos um artigo no mestrado. Mais do que isso é bom para quem pensa no doutorado e no curso. Faça mais se possível.

5. Não atrasem sua defesa. 24 meses dá tranquilo. O pior é só o primeiro ano. O segundo, se trabalharam bem no primeiro, é moleza.

6. Trabalho: façam um grupo de e-mails e/ou de whastapp/ telegram para vocês. Sejam todos administradores e compartilhem notícias sobre o curso, professores, eventos, tirem suas dúvidas, fortaleçam-se.

7. Colem em todos Os eventos, ajudem a produzir eventos, publiquem, defendam o mestrado de vocês dos ataques do governo Bolsonaro.

Professores na reunião

E foi isso. Bem direto e pragmático.

29.08.19 e dias anteriores

As anotações do mês estão muito bagunçadas. Vou tentar articular o que rolou ou está rolando em agosto


Reunião com orientadora: teve. Tenho que fazer uns ajustes e passar o material para o sujeito de pesquisa, de acordo com o definido na metodologia do trabalho.


Ah, finalmente fizemos a nossa primeira foto de aluno e professora, mas fizemos já pensando na palhaçada. Chegando em casa fiz essa artezinha num app do celular para descontrair:










Busca de referenciais para corrigir o artigo selecionado para o ebook: em andamento, lento, mas andando.


Semana enrolada, muito enrolada.


Chegada intensa do calor. Dias de clima ameno de montanha...montanha vulcânica.




Ando fazendo a leitura de uma tese para ver o que acrescento ao trabalho. É de uma das integrantes da banca e fala sobre rap no Rio Grande do Sul.


Teve neblina. Mesmo com o calor já instalado, amanheceu nublado mais uma vez.



quinta-feira, setembro 12, 2019

Lendo dois poemas do escritor Francisco Alves

Tempos sombrios também são tempos de escrever, falar, ouvir e espalhar poesia, de fazer a literatura correr por aí. 

Por isso, decidi no começo do mês: a cada duas ou três semanas vou publicar um vídeo com leituras de trechos de obras produzida por autores de Roraima. 

Inicialmente vou ler as obras que já tenho na biblioteca. Talvez depois peça para os próprios autores lerem para nós. A primeira edição desta minha iniciativa é com dois poemas do escritor Francisco Alves e o livro se chama Ruídos Noturnos ou Poemas do esquecimento vivo, de 2017. 

 Para saber mais sobre a vida do Francisco, deixo-lhes aí os links para as suas redes sociais no Facebook e no Instagram: https://www.facebook.com/aluadoalves e https://www.instagram.com/chescoo/

Boa poesia para todos e todas:

 

quarta-feira, setembro 04, 2019

(Quase) Todos os livros de autores de Roraima que temos em casa


Voltei a gravar vídeos para o meu canal no Youtube. 

Meu sonho é um dia receber aquele aviso de que tem um cheque me esperando por conta de tanta visualização e seguidor. 

Enquanto isso não chega, me botei uma meta aqui: um vídeo por semana, dividido entre colecionismo, literatura e o que vier. 

Sim, o lance de ter foco não faz parte de minha vida criativa. Vide a diversidade de coisas que já publiquei aqui no blog. Foco é só para os estudos e para as fotos. Para as demais coisas, quanto mais caótico, mais divertido. 

Bueno, vamos lá: mostramos hoje a coleção de livros que temos aqui em casa e foram produzidos por escritores que vivem ou já viveram em Roraima. 

Tem coisa minha e de minha mulher, a poeta Zanny Adairalba. É um vídeo longo, mas que dá um panorama do que vem sendo feito no Estado nas últimas décadas. 

Se você tiver um livro de autores de/em Roraima que não apareceu no vídeo e quiser me presentear, é só mandar mensagem que a gente se encontra. Para receber presente sou rápido. Para dormir também. Não falemos de trabalho pois isso não vem ao caso.