sexta-feira, abril 04, 2008

Desejo

Um dia a casa sobe e a alma cai
Daí, quem sabe,
Você se toca e se vai.

Uma noite a lua desce
O verão acaba
E o rio Branco cresce.

Um dia, quem sabe o dia,
As coisas mudam
E paro com essa agonia.

Uma tarde, com certeza,
Te encontro caminhando pela rua
Ou meio louca, seminua
Deitada sobre minha mesa.



(Texto publicado originalmente na revista on-line Minguante. Tem outros meus também. Se você quer participar com suas histórias, corra. O prazo encerra na outra semana)



Se nunca foi visitar, que não seja por falta do endereço: Histórias de um Índio Velho e seu filho.


Um comentário:

adam brown disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is