sexta-feira, julho 22, 2011

Amazônicas cenas

Enquanto águas no norte margeiam a realidade
E espíritos da floresta entornam todas no bar
Há velhos pajés dançando salsa pela manhã
E novos guerreiros numa rave sob o luar

Enquanto o tempo passa amazônico, certeiro
Há tempos temos trem, carro, canoa
E há luas ouvimos cada história nada boa
Do passado sem volta, o futuro que não chega.


Enquanto as lendas passam na televisão
No horário nobre, na hora da fogueira,
Índios velhos cantam, índios velhos riem
Pensam na meia verdade, na mentira inteira

Enquanto águas passam amazônicas lendas
Misturam-se no fogo étnicas contendas.


Fotos minhas, Edgar Borges, e de Zanny Adairalba.



Nenhum comentário: