segunda-feira, setembro 30, 2019

Diário de um mestrando - 20° mês

05.09.19 quinta-feira

Entreguei uma cópia da dissertação para o sujeito de pesquisa olhar. MC Frank D'Cristo me pediu três semanas para ler com calma o trabalho e emitir suas opiniões. Damos assim início a mais uma etapa do trabalho, conforme a metodologia prevista. 

08.09.19 sábado

Há 30 anos, no meio do processo da redemocratização, em um dia como hoje, nasceu a Universidade Federal de Roraima, conhecida carinhosamente por UFRR ou apenas "A Federal".




Ando pelos seus corredores desde 1993, 1994, como voluntário em projetos de alfabetização, aluno de cursos de extensão, discente de Jornalismo e Sociologia, funcionário concursado e mestrando em Letras.

Aqui tive amores, fiz desafetos, encontrei conhecimento, organizei meus primeiros eventos culturais, aprendi muito sobre vários temas, me fiz gente e encontrei meu rumo profissional.

Vi a UFRR crescer, tanto na quantidade de prédios como na diversidade de cursos de graduação, especialização, mestrados e doutorados.

De portas abertas para os povos indígenas, para a população de baixa renda, para os alunos das escolas publicas e para os migrantes brasileiros e estrangeiros, a UFRR, com todos os defeitos que pode ter, é a instituição responsável pela expansão dos horizontes de muita gente (menos os daqueles que são muito tapados e acham que formar -se na universidade pública é só entrar na sala, aprovar a disciplina, pegar o canudo e, formados já, apoiar ações políticas que visam justamente acabar com tudo o que usufruíram ...mas enfim, né?).

Viva a UFRR, viva a educação pública superior gratuita, viva a diversidade e que venham outras dezenas de anos dessa forma.

12.09.19  quinta

Dia de ir ver arte e cultura na UFRR. Hoje tem comemoração dos 30 anos e a a poeta-patroa Zanny Adairalba vai receber um certificado de honra ao mérito pela sua contribuição à cultura local. Além disso, vão interpretar uma música dela no espetáculo Mulheres Roraimando.







13.09.19 sexta


Terminei e mandei um artigo para avaliação da comissão editorial do e-book "Relações identitárias e intertextuais", que deve ser lançado ainda este ano pelos professores Tatiane Capaverde e Eduardo Amaro. Tomara que seja escolhido e fortaleça o Lattes. 

Enquanto o MC Frank D'Cristo não me devolve o trabalho, vou ocupando meu tempo: fui a um abrigo de migrantes falar poesia com os poeta Elimacuxi Vitor de Araújo e Lindomar Bach. Mais detalhes escrevi no blog do Coletivo Caimbé.  






17.09.19 terça

Teve uma mostra das produções acadêmicas do PPGL. Os alunos veteranos (e alguns egressos) e os professores do Programa de Pós-graduação em Letras da UFRR falaram sobre suas pesquisas para os novatos. Eu também fui e até fiz uma arte com a fotinha que fizeram de mim. 

Só bochecha

Mais um ângulo das bochecas


Colega Vanessa Brandão

Colega Juscelino Raposo

Professor Fábio de Carvalho


Colega egressa Marcela Ulhoa

Professor Roberto Mibielli

Colega Carolina Barreto

20.09.19 sexta

Estive na escola estadual Maria das Neves Resende para conversar com os alunos. Falei de mim, de minha distante juventude, de literatura, de vida em geral. E também assisti a duas esquetes que a turma montou baseando-se em contos de minha autoria. Vamos ocupando com arte os dias enquanto não tenho o retorno do MC Frank. 



23.09.19 segunda

MC Frank D'Cristo fez a devolutiva do trabalho. Leu o que deu e disse que gostou do que viu. Até brincou dizendo que sei mais sobre ele do que ele mesmo. Vamos agora acrescentar algumas partes teóricas das quais senti falta em algum momento desses últimos dias. 


27.09.19 sexta

Inscrevi uma proposta no III Seminário de Estudos Linguísticos e Literários do PET Letras da UFRR. Vamos ver se rola uma comunicação oral. 




####################


Obrigado pela leitura da 19a edição do Diário de um Mestrando.
Para ler as anteriores, basta clicar AQUI. Abraços.


quarta-feira, setembro 25, 2019

Faça o download gratuito de meu livro de contos "Sem Grandes Delongas"


Olá, povo do bem.

Como muitos e muitas devem saber, há alguns anos lancei meu primeiro livro de contos, intitulado Sem Grandes Delongas (aqui você pode ler alguns dos textos)



Desde antes do lançamento, eu já pensava em disponibilizá-lo digitalmente para leitura gratuita após um certo tempo. Fui adiando, fui esquecendo, fui lembrando, fui olvidando, fui me enrolando em coisas da vida. E a vida nem sempre nos lembra das nossas promessas internas.

Há um ou dois anos cheguei a perguntar no grupo de facebook que reúne os colaboradores do blog Concursos Literários qual seria a melhor plataforma para disponibilizar o livro. A turma teve consenso em indicar o google drive. Li, disse “amanhã coloco” e adiei.

No começo do ano, lendo muito sobre publicações digitais (estava eu recém-saído de um calote do governo estadual de Roraima que me impediu de publicar um livro de poemas) cheguei a cogitar lançá-lo na Amazon. Mas li que precisaria de um novo ISBN. Fui atrás disso no site da Biblioteca Nacional. Li, pensei, analisei e a vida me levou a resolver as demandas do dia. Nisso se passaram meses.

Na semana retrasada, do nada, lembrei do arquivo, localizei e pensei: semana que vem, vai. Aí um colega escritor aqui de Roraima, Ricardo Dantas, botou para download gratuito um livro dele na Amazon e eu adiei. Ficaria meio “ui, ele fez, tu copiou na hora”. Meio bobo, mas bem a cara de nossa cidade pequena. Melhor parecer que demorei a copiar, acho. E vai que ninguém sabia dessa iniciativa do Ricardo até agora e pelo menos ajudei a divulgar a ação dele.

Bueno... digressões concluídas, comunico aos leitores e leitoras deste humilde blog, no ar da web há 15 anos, que o livro Sem Grandes Delongas está disponível para download gratuito no link abaixo. Ainda tenho exemplares da versão impressa. Portanto, se você baixar, gostar e quiser comprar uma edição autografada, é só escrever para edgarjfborges@gmail.com ou passar uma mensagem no whatsapp para o número (95) 991114001.

No mais, obrigado pelas visitas e boa leitura. Agora, clique aqui para fazer o download gratuito do livro Sem Grandes Delongas e espalhe a notícia por aí.

Se gostou, mete o dedo nos links e comunica pra todo mundo que tem livro de contos disponível para leitura gratuita



terça-feira, setembro 24, 2019

E fui falar de vida e literatura pros meninos da escola Maria das Neves


Turma linda da Maria das Neves Rezende

A convite do projeto Literatura a Caminho, coordenado pelo escritor Aldenor Pimentel e financiado pelo Itaú Cultural, estive na última sexta-feira (20.09) na escola estadual Maria das Neves Rezende, lá no bairro Asa Branca, para conversar com duas turmas de adolescentes. 




Um mural desses, bicho...





  


A meninada tinha entre 15 e 18 anos, em média. Como fazia tempo que não falava com gente dessa idade, comecei perguntando dos pontos que poderíamos ter em comum se fossemos da mesma faixa etária: reprovações no ensino médio, pais separados, corações partidos, corações apaixonados, quem era migrante, quem tinha pais migrantes. Só esqueci de perguntar quem era da Venezuela. No meio da fala descobri que quase metade da plateia era formada por jovens que chegaram recentemente do país vizinho, fugindo da crise que está rolando por lá. 







Teve sorteio de livros para os estudantes

Os meninos apresentaram duas esquetes baseadas em contos de meu livro “Sem Grandes Delongas” e, quero deixar bem claro, me surpreenderam com o tanto de coisa que viram nas histórias. Conseguiram inclusive me deixar confuso enquanto aceleradamente procurava em meus arquivos quais eram esses contos que estavam encenando.  Meus parabéns aos alunos e à professora Joanecy, que coordenou as encenações. 



Uma das esquetes que os meninos montaram

Nas fotos de Adriana Duarte, fotógrafa venezuelana que acompanha o projeto, vocês podem ver o capricho com que fui recebido, né? Muralzão bonito desses, sorrisos dos estudantes e, disso não tem foto, um suco de acerola espetacular no final, trazido pela coordenadora da escola, Maria Edna. 


Com Aldenor Pimentel, responsável pelo projeto



Curti muito a experiência. Fazia muito tempo mesmo que não trocava ideias com estudantes sobre literatura e vida de artista. Não é por falta de vontade, mas sim por uma postura muito comum das escolas de Roraima: todas querem oficinas e a presença dos escritores, mas poucas querem comprar nossos livros ou pagar um cachê para bancar as atividades. E como há um tempo decidi, por vários motivos, parar de ir gratuitamente a estas ações, tenho andado afastado das salas de aula. Tomara que esse pensamento de não valorização financeira do trabalho do escritor mude, pois adoro essas conversas. Elas rejuvenescem e me dão assunto para conversar cada vez mais.  

quinta-feira, setembro 19, 2019

Meus carrinhos 1:64 temáticos da Hotwheels, Maisto, Tomica e outras marcas

Oie, pessoal bonito que anda por aqui sempre, checando se têm crônicas, se tem relatos das ações do mestrado ou se tem alguma coisa bacana qualquer para ser lida. Temos novidades, sim. 


Publiquei lá no youtube a décima edição da série de vídeos Mostrando as Coleções, desta vez apresentando a coleção de carros temáticas que temos aqui em casa.

É material meu, do Edgarzinho, coisas compradas pela mãe, a fundadora dessa coleção. Foquei nas temáticas para não ir mostrando uma a uma todas as peças. São mais de 300 minis (acho) e não daria tempo de contar histórias sobre cada uma. 

Veja aí e volte sempre. 





segunda-feira, setembro 16, 2019

Diário de um mestrando - 19° mês

06.08.19 Terça

Tá frio, bem frio, muito frio. Tá tão frio que estou de camiseta de manga comprida, meu filho está de calça comprida e minha esposa além de tudo isso colocou meia nos pés. O termômetro diz que agora estamos a apenas 24 graus, mas acho que é bem menos. Paredes molhadas, vento... O inverno está lindo. Se não fossem as goteiras na casa, estaria bem mais feliz. 


Sobre a dissertação: estou avançando lentamente. Hoje não consegui, semana passada também não. Apareceram coisas urgentes durante os dias e de noite já estava muito cansado para pensar academicamente. Pelo menos fechei a leitura que queria do Canclini. 





22.08.19 Quinta


Teve reunião administrativa com os novos alunos do Programa de Pós-graduação em Letras, o PPGL. Como representante da turma 2018, fui chamado para o encontro. Lá, me deram a palavra e falei umas dicas para a galerinha. Foi assim, de acordo com as anotações que fiz no celular: 


Edgar Borges
Pesquiso identidade e música, analisando o rap de Roraima.

Dicas, sem ordem de prioridade:

1. Colem nos orientadores. Não deixem ficar mais de um mês sem se encontrarem. Isso te mantém focado e produtivo.

3. Produtivo: A obrigação de vocês é produzir e publicar pelo menos um artigo no mestrado. Mais do que isso é bom para quem pensa no doutorado e no curso. Faça mais se possível.

5. Não atrasem sua defesa. 24 meses dá tranquilo. O pior é só o primeiro ano. O segundo, se trabalharam bem no primeiro, é moleza.

6. Trabalho: façam um grupo de e-mails e/ou de whastapp/ telegram para vocês. Sejam todos administradores e compartilhem notícias sobre o curso, professores, eventos, tirem suas dúvidas, fortaleçam-se.

7. Colem em todos Os eventos, ajudem a produzir eventos, publiquem, defendam o mestrado de vocês dos ataques do governo Bolsonaro.

Professores na reunião

E foi isso. Bem direto e pragmático.

29.08.19 e dias anteriores

As anotações do mês estão muito bagunçadas. Vou tentar articular o que rolou ou está rolando em agosto


Reunião com orientadora: teve. Tenho que fazer uns ajustes e passar o material para o sujeito de pesquisa, de acordo com o definido na metodologia do trabalho.


Ah, finalmente fizemos a nossa primeira foto de aluno e professora, mas fizemos já pensando na palhaçada. Chegando em casa fiz essa artezinha num app do celular para descontrair:










Busca de referenciais para corrigir o artigo selecionado para o ebook: em andamento, lento, mas andando.


Semana enrolada, muito enrolada.


Chegada intensa do calor. Dias de clima ameno de montanha...montanha vulcânica.




Ando fazendo a leitura de uma tese para ver o que acrescento ao trabalho. É de uma das integrantes da banca e fala sobre rap no Rio Grande do Sul.


Teve neblina. Mesmo com o calor já instalado, amanheceu nublado mais uma vez.



####################


Obrigado pela leitura da 19a edição do Diário de um Mestrando.
Para ler as anteriores, basta clicar AQUI. Abraços.

quinta-feira, setembro 12, 2019

Lendo dois poemas do escritor Francisco Alves

Tempos sombrios também são tempos de escrever, falar, ouvir e espalhar poesia, de fazer a literatura correr por aí. 

Por isso, decidi no começo do mês: a cada duas ou três semanas vou publicar um vídeo com leituras de trechos de obras produzida por autores de Roraima. 

Inicialmente vou ler as obras que já tenho na biblioteca. Talvez depois peça para os próprios autores lerem para nós. A primeira edição desta minha iniciativa é com dois poemas do escritor Francisco Alves e o livro se chama Ruídos Noturnos ou Poemas do esquecimento vivo, de 2017. 

 Para saber mais sobre a vida do Francisco, deixo-lhes aí os links para as suas redes sociais no Facebook e no Instagram: https://www.facebook.com/aluadoalves e https://www.instagram.com/chescoo/

Boa poesia para todos e todas:

 

quarta-feira, setembro 04, 2019

(Quase) Todos os livros de autores de Roraima que temos em casa


Voltei a gravar vídeos para o meu canal no Youtube. 

Meu sonho é um dia receber aquele aviso de que tem um cheque me esperando por conta de tanta visualização e seguidor. 

Enquanto isso não chega, me botei uma meta aqui: um vídeo por semana, dividido entre colecionismo, literatura e o que vier. 

Sim, o lance de ter foco não faz parte de minha vida criativa. Vide a diversidade de coisas que já publiquei aqui no blog. Foco é só para os estudos e para as fotos. Para as demais coisas, quanto mais caótico, mais divertido. 

Bueno, vamos lá: mostramos hoje a coleção de livros que temos aqui em casa e foram produzidos por escritores que vivem ou já viveram em Roraima. 

Tem coisa minha e de minha mulher, a poeta Zanny Adairalba. É um vídeo longo, mas que dá um panorama do que vem sendo feito no Estado nas últimas décadas. 

Se você tiver um livro de autores de/em Roraima que não apareceu no vídeo e quiser me presentear, é só mandar mensagem que a gente se encontra. Para receber presente sou rápido. Para dormir também. Não falemos de trabalho pois isso não vem ao caso.